Cine Ceará: Conheça os oitos filmes presentes na mostra competitiva

O 28° Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema, acontece de 4 a 11 de agosto em Fortaleza, sua programação apresenta diversividade para seus frequentadores. O evento é dividido entre mostras competitivas e mostras paralelas. Como de costume, em todos os festivais a mostra competitiva de longa-metragem é a que mais atrai atenção da crítica do público, no Cine Ceará não vai ser diferente.

Já falamos da programação do evento, agora vamos nos aprofundar nos oitos longas que estarão presentes na principal mostra do festival. Você pode conferir a sinopse e trailers de todos os filmes.

O grande destaque da 28ª edição é a coprodução Brasil, Portugal e França “Diamantino“, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, vencedor do Grande Prêmio da Semana da Crítica no Festival de Cannes. O longa mostra um famoso jogador de futebol que ao ver sua carreira em declínio entra numa odisseia delirante em que confronta o neofascismo, se envolve com a crise de refugiados, modificação genética, até a busca pela origem da genialidade. O filme terá sua primeira exibição no Brasil durante o festival.


1) Amália, a secretária – Andrés Burgos

Amália, uma secretária rigorosa e chata, vê sua vida monótona virar de pernas para o ar ao conhecer Lázaro, o novo responsável pela manutenção da empresa onde trabalha. Ela vive à procura de coisas que precisam de reparo só para passar o tempo com ele e, sem perceber, acaba se contagiando com o desembaraço do faz-tudo.

2) Anjos de Ipanema – Conceição Senna

Documentário memorialista sobre um verão mágico. Entre 1971 e 1972, enquanto o planeta se encontrava em convulsão, os jovens de Ipanema, felizes e gloriosos, dançam, saúdam o sol, se abraçam, se beijam e brincam. Hoje, mais de quatro décadas depois, essa geração está espalhada pelo mundo, alguns ainda fiéis ao poder da flor, alguns disfarçados com paletós executivos, mas todos marcados para sempre.

 

3) Cabras de merda – Gonzalo Justiniano

Um jovem missionário americano viaja ao Chile durante a ditadura de Pinochet e envolve-se romanticamente com uma mulher bonita e forte que mora em um bairro marginal. Com sua câmera, ele fará parte da luta pela democracia do país.

4) Diamantino – Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt

Diamantino, o maior jogador de futebol do mundo, perde seu talento e encerra sua carreira em desgraça. Em busca de um novo propósito na vida, o ícone internacional embarca numa odisseia delirante, e enfrenta o neofascismo, a crise dos refugiados, mutações genéticas e a busca pela origem de sua genialidade.

5) Eduardo Galeano Vagamundo – Felipe Nepomuceno

Em 2010 Eduardo Galeano recebeu Felipe Nepomuceno em sua casa em Montevidéu para uma entrevista. Após a morte do escritor, amigos e leitores ao redor do mundo realizam uma homenagem com leituras de sua obra. Nasce um documentário, uma utopia. Um filme dos abraços para o maior contador de histórias da América Latina.

 

6) O Barco – Petrus Cariry

Numa vila de pescadores mora Esmerina, uma mulher com 26 filhos. O nome de cada filho corresponde a uma letra do alfabeto. Ela consegue decifrar o futuro a partir deles e prevê a chegada de um misterioso barco e de uma mulher, trazida pelas águas. O destino dessa comunidade é bruscamente alterado por esses acontecimentos.

OBS: O trailer de “O Barco” não se encontra disponível na internet

7) Petra – Jaime Rosales

Petra vive sem saber quem é seu pai. Após a morte de sua mãe ela começa uma busca que a leva até Jaume, um famoso artista plástico, poderoso e implacável. Em seu caminho para descobrir a verdade, ela conhece Lucas, filho de Jaume, e Marisa, mãe de Lucas. A história desses personagens começa a ser tecida em uma espiral do mal, segredos de família e violência, que leva todos ao limite.

8) Senhorita Maria, a saia da montanha – Rubén Mendoza

Boavita é uma cidadezinha rural, conservadora e católica, encravada nos Andes colombianos: nesse vale mora a senhorita María Luisa. Ela tem 45 anos e nasceu menino. Atrás do que poderia ter sido uma vida de conflitos de gênero e identidade, há uma história familiar de dor e tristeza, temperada com ódio, e cujo bode expiatório é a senhorita María. Em vez de se abalar, ela alimenta sua força através da fé e de seu amor pelos animais e pela montanha.


São esses os oitos filmes que estarão em competição no festival em busca do troféu Mucuripe. O Cine Ceará começa dia 04, sábado, no Cineteatro São Luiz. Ficou empolgado para assistir algum filme? Lembrando que você pode conferir toda a programação do festival aqui.

Marcus Barreto

Jornalista de bem com a vida, fã de esportes e cinema.